Brasileirão, duas rodadas

Olhando os resultados, muito boa arrancada do Grêmio, dois testes fortíssimos pela grandeza dos clubes. Ok, são dois jogos, mas é um empate fora contra o Corinthians e uma vitória em casa contra o Flamengo. Média de dois pontos por jogo, o que é uma média de time campeão, salvo exceção como foi o próprio Corinthians ano passado. E somos o único time que ainda não levou gol no Brasileirão.

A vitória sobre o Flamengo, ontem na Arena assim como o empate contra o Corinthians na semana passada , precisam nos servir de base para aprimoramentos para o restante da competição. A postura do Grêmio tem de ser a de um time que almeja a vitória sempre, tanto dentro de casa quanto fora, com os devidos cuidados. A forma como nos postamos aos 35 do segundo tempo contra o Corinthians e ontem após o gol devem ser trabalhadas para se evitar. O medo de perder tira a ousadia de vencer. Entendo que precisamos recuperar a confiança e neste sentido, os resultados positivos são fundamentais. O time está ansioso após as desclassificações. O trabalho no futebol está sendo questionado e sente-se este desconforto no time e no próprio Roger, só que cobranças são necessárias. Cobranças são pertinentes para um ambiente de aprimoramento. É preciso sair da zona de conforto. O conflito faz parte do desenvolvimento.

Voltando ao jogo, méritos ao Roger que pensou bem novamente a estratégia do time e o Flamengo não teve contundência ofensiva, a não ser quando recuamos. Roger tinha achado uma forma de jogar no ano passado. Desde a chegada do Bobô (que não acho mau jogador, pode ser útil, mas nao se encaixa taticamente no estilo de jogo proposto pelas suas características) que Roger insiste em escalá-lo, o que acaba deixando o time manco. Bobô, longe de desprezível, pode ser útil durante as partidas, não como titular. A entrada do Éverton ontem, trouxe o Grêmio de volta à formação que mais deu certo. Fez com que o ataque do Grêmio novamente tivesse fluidez e mecânica de jogo, com Luan atuando na sua posição, à frente do ataque e revezando posições com Miller. A partir destes movimentos é que acabaram nascendo os espaços e poderíamos ter feito pelo menos mais 3 gols logo no início do segundo tempo. Precisamos aprender a “matar” o jogo e evitar o sofrimento do final como tem sido. O time precisa acreditar no seu potencial e seguir martelando ao invés de recuar e tentar garantir o resultado.

O melhor esquema testado no Grêmio até aqui, depende de jogadores de movimentação no ataque. Foi jogando assim neste esquema que Luan, como falso 9 flutuando à frente da área, se consagrou ano passado sendo líder em assistências, goleador no campeonato até a entrada do Bobô e seu recuo para o meio. Luan não é meia, é atacante. Na base era centro avante. E é difícil entender como Roger, o mentor desse sistema de jogo no clube, de toques e aproximações, muda tudo e aposta em um 9 mais fixo, lento, que não envolve/tem vitória pessoal sobre a zaga adversária. O time não joga para ter um centroavante fixo, raramente cruzamos do fundo de campo, preferimos as trocas de passe e infiltrações. Com a ausência do Miller – que é meia e não centro avante, e pela amostragem de ontem, que voltemos já ao esquema com Luan de centro avante e a entrada de Lincoln no lugar do Miller e Everton ou Pedro Rocha no lugar do Bobô.

Afora a crise de ansiedade, nervosismo e confiança, temos vários jogadores em má fase técnica. E não há time que consiga desenvolver bem a mecânica de jogo com tantas peças em deficiência de performance: Wallace (como a seleção faz mal aos nossos jogadores), Maicon, Giuliano, Luan (ao meu ver sua crise está muito mais ligada ao fato de jogar fora de sua posição) e o nosso comandante. O Roger, talvez pressionado pelas eliminações, vem tomando algumas decisões questionáveis. O vejo com muito potencial. Com o devido suporte do departamento de futebol, com orientação, cobranças corretas e confiança pode e deve desenvolver um trabalho acima da média. É preciso voltar àquela mecânica de jogo e fluidez nos passes. É preciso reencontrar o equilíbrio do time, e muitas vezes, as tais lideranças de vestiário precisarão pegar um banco amigo até voltarem ao nível técnico que precisamos. Temos gente pedindo passagem e que precisam ser melhor aproveitados: Lincoln, Kaio e Tontini por exemplo.

A parte positiva:
Roger pensou e planejou corretamente o jogo contra o Cor (colocou Luan e Giuliano para marcar as duas laterais obstinadamente, bloqueando as saídas do time do Tite) e contra o Fla (que joga no 4-4-2 mais pelo meio, Roger liberou nossos meias possibilitando maior força no ataque. Pecamos na aceleração e erros de passe). A alteração do time foi primordial para a vitória e Roger a fez no intervalo (ok, pressionado pelas vaias que já começavam na Arena, mas fez). Isso mostra que Roger segue com (muito) bons princípios e visão estratégica de futebol, porém insiste em algumas escolhas inexplicáveis, pelo menos para nós, de fora.

A vinda de Edílson é um acerto, barato e se não é um craque é o melhor lateral direito que temos no plantel. Fez uma estréia muito boa, seguindo assim e com maior entrosamento, ouso dizer que nosso lado direito está resovido.

A parte a ser ainda trabalhada: mentalidade, gana, vontade, confiança. Ver o jogo se abrir como foi contra o Corinthians, com a torcida começando a vaiar e abdicar da vitória ou fazer o gol e entregar o campo para o Flamengo e não conseguir atacar é preocupante. Quase sofremos o empate devido ao recuo enorme do time chamando o adversário pro nosso campo. Isto depois de termos tido 3 outras chances claras de gol. “Bora” botar o pessoal a treinar finalizações. E chutar mais, arriscar mais. H.Almeida seria ainda uma preferência já que é mais finalizador que o Bobô.

Temos mais um jogo dificílimo nesta quinta. O Gremio é o único time que não perdeu no Novo Independência no Brasileirão. Vamos manter esta escrita.

Projetando em blocos de 5 jogos, nosso inicio de campeonato é cruel, mas estamos passando nos testes. É seguir com este mesmo foco e que venham logo os reforços pra zaga e lateral esquerda.

Marcos Vinicius M. Vargas
Sócio do Grêmio e Membro do GGI

Comente