VITÓRIA E VAIAS

Que dia se armou para o Jogo do Grêmio contra o Atlético PR. Chuva em Porto Alegre, temperatura caindo e a possibilidade de ingressar no G4 no início do returno. Aproximadamente 10.000 torcedores resolveram ir até a Arena para acompanhar nosso time.

Eu poderia falar da consistência que o time está adquirindo, das boas apresentações da dupla de zaga, da afirmação do Zé Roberto na lateral, da novidade (talvez nem tanto novidade) Matheus Biteco, de MAIS UM gol do Barcos, da quarta vitória seguida ou da aproximação do G4, mas vou falar de algo que tenho dificuldade de entender: os “VAIADORES”.

Tenho 33 anos e faz 20 que frequento estádios para acompanhar o Grêmio. Sou sócio, hoje estou conselheiro do clube, mas no estádio sou TORCEDOR e como tal torço pela vitória. Já não grito os 90 minutos, grasno reclamações com mais frequência, mas não vaio nunca.

Nunca vaiei qualquer jogador que fardasse com a camisa do Grêmio e vocês sabem os que tivemos que aguentar nos últimos anos. Não vaio por ideologia, por saber que além de não ajudar, atrapalha muito, e torcedor não deveria atrapalhar seu time. Vaiar o time faz com que o próprio indivíduo se irrite ainda mais com o momento, com o jogador ou com o treinador. Já tenho alguns problemas e não vejo lógica em potencializar meu momentâneo desgosto com o Grêmio com o ato de vaiar enfurecidamente no estádio.

Bom, não quero que pensem – que eu ache – que o torcedor (poucos como ontem, que certamente são os mais de fé) não tenha o direito de se manifestar pelas vaias, claro que tem. Apenas, eu não entendo e discordo. O ‘cara’ que é predisposto a vaiar deveria dar um tempo para si e não ir ao estádio em momentos de instabilidade do Grêmio: vaiar o time o deixará irritado, irritará o torcedor ao seu lado que não concorda com vaias e prejudicará o desempenho do nosso time. Estes torcedores deveriam assistir alguns jogos no conforto de seus lares. Onde, é possível mudar o canal, brincar com os filhos, beber uma cerveja, esbravejar sem remorso e, principalmente, comemorar o gol no final do jogo sem ser chamado de “secador” pelos que não vaiaram o time ao longo dos 90 minutos. Mas, é só um conselho.

Dois tópicos para finalizar:
a) parabéns para a Geral pelo comportamento, mas, principalmente, pelo alento ao time do Grêmio durante todo o jogo
b) se achar que a vaia será justa, aguarde o final do jogo e a faça. Mostrará sua insatisfação e não prejudicará o time em campo.

Abraços
Guilherme Schulze
Conselheiro do Grêmio e Integrante do Grupo Grêmio Imortal

Comente