MAIS UM FINAL DE ANO IGUAL A TODOS OS ÚLTIMOS

Como é difícil escrever sobre o Grêmio no final de ano. Não porque não exista assunto para falar, mas sim pelo fato de ser gremista. Nós, gremistas, sempre mantemos uma esperança, mesmo que todos os fatos, todas as estatísticas digam que as coisas não vão acontecer, nós sempre mantemos a esperança. Isso nos fez acreditar na classificação contra o ATL-PR mesmo a 4 jogos sem vitória e sem marcar gols. Acreditar que vamos colocar água no chope dos mineiros que queriam ser campeões em casa e seguir acreditando que vamos classificar no G2.
Nesses últimos anos eu coloquei a culpa da falta de títulos na pouca qualidade dos elencos tricolores. Um time com Tcheco como referência técnica e Tuta como centroavante não pode passar por cima de um Boca Juniors com Riquelme, Palacios e Palermo. Um time com Perea e Marcel de dupla de ataque também não podia ter folego para ganhar um brasileirão de 38 jogos. Com esforço e a corda esticada, chegávamos muito perto, mas no momento decisivo, naquele lance que define o campeonato, eu acredito que faltou a qualidade, aquele jogador predestinado a fazer o certo na hora certa.
Então chegou 2013. A pessoa mais vitoriosa que já vestiu a camiseta do Grêmio volta a presidência do clube. O retorno do Dr. Koff por si só já enche os corações gremistas de esperança. “Agora sim” e “esse ano vai” eram palavras comuns na boca de gremistas empolgados. Além disso, o presidente traz com ele um executivo de futebol que começa a contratar jogadores com qualidade, monta um elenco forte. Ouvi de um amigo meu que esse ano ganharíamos a Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão, para acabar com a ressaca de títulos de vez.
Infelizmente futebol não se faz dessa forma. O Grêmio com Dida, Souza, Elano, Zé Roberto, Barcos, Kléber e Vargas não foi um time em nenhum momento do ano. Não apresentou mecânica de jogo e domínio sobre a partida em mais de 90% dos seus jogos. Tivemos bons momentos, mas foram isolados, como a sequência de 7 vitorias, onde ganhávamos alguns jogos sem saber como havíamos ganho.
No jogo de ontem, contra o campeão brasileiro de 2013 Cruzeiro, o que aconteceu foi uma repetição do ano inteiro. O Grêmio em nenhum momento envolveu o cruzeiro ou foi o dono das ações do jogo. Na maior parte do tempo, os 11 jogadores do Grêmio foram espectadores privilegiados que assistiram o cruzeiro jogar de dentro das 4 linhas. Não venham dizer que foi uma fatalidade, que o Barcos jogou uma bola na trave ou que o Fabio atacou muito. Fatalidades podem ocorrer em um ou dois jogos, mas não em 6 jogos. Não é fatalidade estarmos a 6 jogos sem marcar, isso é alguma coisa errado com o grupo, com o comando técnico ou com a direção. Talvez seja problema nesses 3 setores, mas não é fatalidade.
Agora, como bom gremista que sou quero deixar bem claro que não acho que esteja tudo errado e temos que mudar tudo para 2014. Inclusive acho que o Renato deve permanecer, independente de classificação ou não para a Libertadores da América de 2014. Mas, o Rui Costa ou o seu Chitolina precisam exigir uma reunião com o Renato e comunicar que as coisas não estão mais dando certo. Precisamos de mudanças. Outra coisa que o torcedor não aguenta mais é ouvir o Renato falar que esse time era cotado para rebaixamento. Cita o nome de quem disse isso que precisamos internar esse louco. O discurso do Renato deve mudar para que ele consiga manter um bom ambiente com o torcedor, porque isso será importantíssimo para 2014 e o que, as vezes, o torcedor quer ouvir numa coletiva pós derrota não é que faltou sorte. Quer ouvir que erramos, por erros individuais ou coletivos, porque o gremista não é burro e enxerga isso.
O Grêmio está com a espinha dorsal montada para 2014. São poucas peças que precisam ser inseridas para formarmos um bom elenco. Não podemos transformar o Grêmio numa instituição de ame-o ou deixe-o. Todos desejamos um título e isso as vezes deve exigir paciência do torcedor. O gremista tem paciência quando é tratado com respeito pelos seus jogadores, dirigentes e técnicos. No momento, me parece que está faltando um pouco de respeito do técnico para com a torcida.
Eu estou esperando 2014 e desejo que ele venha logo, mas no fundo estou torcendo que o Dr. Koff e o Rui Costa já estejam em 2014 desde a semana passada.
Vamo tricolor!

Felipe Escobar
Sócio do Grêmio e Integrante do Grupo Grêmio Imortal

Comente