MAIS DÁDIVA DO QUE DECORRÊNCIA…

Tem gente que vai ficar impressionada e tem gente que vai dizer que isso não vale nada… A verdade é que no final de semana passado o Grêmio ganhou do Vasco em São Januário, depois de quase 20 anos sem conseguir. E o que ninguém haverá de discordar é que o jogo valeu três pontos. Ah e foi o terceiro jogo consecutivo em que o nosso time, com três zagueiros e três volantes fez três gols num jogo… Dois deles fora de casa…

O que isso significa? (Como perguntaria o Thadeu Schmidt) O que é que está havendo? Pois para mim, embora todas as limitações de nossa defesa, já começa a aparecer o esperado e decantado “vestiário do Renato”. Nossos jogadores, isso é evidente, estão jogando com mais vontade, com mais garra, mais alegria. Barcos voltou a fazer gols. Dida é inegavelmente uma segurança e já começou até a pegar pênaltis de novo. Kleber corre atrás da bola – as vezes demais – como quem corre atrás de um prato de comida. Rhodolfo é mil léguas melhor que Cris (que aliás nos retribuiu no primeiro gol todos os seus erros por aqui). E meninos como Ramiro, Alex Telles e Biteco começam a mostrar que são, mesmo, bons jogadores. Pro meu gosto ainda estamos longe da consistência enquanto time de futebol. Ainda temos Pará e Adriano e Bressan titulares…

Alguns haverão de dizer que desfalques como Zé Roberto, Vargas e Elano contam muito… Mas outros vão responder que quando eles estavam no time, também não estávamos lá essas coisas. A notícia boa é que já estamos ganhando fora de casa, estamos fazendo gols e estamos quebrando tabus. Num campeonato como este, com times muito nivelados, Botafogo e Curitiba por cima e um monte de jogadores desconhecidos com nomes compostos, pode ser um bom sinal.

Vamos esperar pelos próximos jogos para efetivamente termos uma noção de onde poderemos chegar. Estar hoje em terceiro lugar é mais dádiva do que decorrência. Mas que seja! Nós como bons torcedores aplaudiremos o Grêmio onde o Grêmio estiver…

Fernando di Primio
Conselheiro do Grêmio
Ex-Presidente do Grêmio Imortal.

Comente