O QUE ESPERAR DO GRÊMIO EM 2013?

Como todo gremista, quero ser campeão sempre, mas me contentaria com um grande título: Libertadores ou Brasileiro. O problema é que, depois de ver o time jogando esse começo de 2013, já é possível fazer um diagnóstico da maneira como o Grêmio vai tentar esses títulos. Será ao gosto de Vanderlei Luxemburgo, um técnico competente, que montou um grupo à sua imagem e semelhança, e que está fazendo um grande e sincero esforço para levar o Grêmio às grandes vitórias. Esse esforço foi respaldado pela atual diretoria, que gasta muito mais do que poderia nas contratações e nos salários. Koff está certo: para ganhar, tem que arriscar, tem que dar ao treinador o que ele pede e um pouco mais. Enfim, as cartas estão dadas, o jogo será mesmo assim, e eu gostaria muito que funcionasse. Se funcionar – e oxalá que funcione! – o Grêmio será vencedor com um estilo de futebol bem diferente daquele que o levou a outras vitórias. Faço um breve quadro comparativo:

Grêmio Histórico (dos Brasileiros, das duas Libertadores e do Mundial de Tóquio)


Grêmio de Luxemburgo (deste começo de 2013)
* o adversário fica mais tempo com a bola, mas o Grêmio é mais objetivo e rápido no ataque (e nos contra-ataques) * o Grêmio fica mais tempo com a bola, troca de lado, demora muito para chegar na área adversária, e quase sempre é improdutivo
* o Grêmio começa a competição desacreditado, com jogadores pouco conhecidos, e vai subindo aos poucos. Atropela na reta final. * o Grêmio é um dos favoritos, “pela qualidade de seu plantel”. Cai de rendimento na reta final (como contra o Palmeiras na Copa do Brasil).
* lembram do Paulo Roberto, do Roger e do Arce? Pois é. Que saudade… * o Grêmio até tenta jogar pelas pontas, mas seus laterais não sabem cruzar; a maioria das boas tentativas é pelo meio
* a estrela do time, a referência técnica, é prata da casa, jovem e muito ambicioso: Renato (1983), Carlos Miguel (1996) * a estrela do time veio de fora e está em fim de carreira: Zé Roberto
* o técnico é gaúcho, lançado no futebol pelo Grêmio: Ênio Andrade (1981), Espinosa (83), Felipão (96) * o técnico é carioca, já trabalhou na Europa e, às vezes, parece estar acima dos jogadores em importância;
* o capitão do time é um verdadeiro líder: De Leon (1983), Adilson Batista (1996) * o capitão (Zé Roberto) não tem perfil de capitão;
* o time ganha mais na raça que na técnica; * o time ganha mais na técnica que na raça;
* o time têm vários jogadores gaúchos e/ou formados nas categorias de base * o time tem um só jogador gaúcho/da base: Fernando (e o técnico ensaiou retirá-lo)
* o time é brigador, faz muitas faltas, recebe muitos cartões amarelos e alguns vermelhos * o time mais apanha que bate

Posso ter exagerado um pouco em alguns aspectos, mas o cenário é esse mesmo. Vamos torcer para que o novo estilo de jogo do Grêmio seja vencedor.

Carlos Gerbase

4 comentários para “O QUE ESPERAR DO GRÊMIO EM 2013?”

  1. Paulo Roberto Faria Ferrer disse:

    Dá para confirmar que não é só de cinema que o autor entende. Oportunas e claras observações. As características do time e seu treinador que detectastes, justificam o fato do mesmo não empatar; perde ou ganha.

  2. Sandro Lehmann disse:

    Interessante ver que existem pessoas que pensam como eu, eu estou com meu gremismo cancelado desde a contratação deste senhor. Não tem como o Grêmio ter sua cara histórica com um treinador( que sempre esquece que exerce somente esta função), que não tem nada de semelhante com nosso perfil. Poderia citar dezenas de motivos, alguns até escusos, mas vou me ater somente a parte técnica.

  3. Carlos Otero disse:

    Fantástica análise. Acrescento ainda mais o seguinte:
    1- Paulo Paixão no rival.
    2- Gilberto Silva capitão e em dupla com Werley a segunda melhor defesa do gauchão, aí… na espera do grande xerife, Gilberto vai embora e vem Cris.
    3- Vice de futebol muito polido. Temos que ter um cara que coce o saco, invada campo, tenha discurso forte e se imponha e cobre dos jogadores
    4- falta um volante malvado tipo China, Dinho e Sandro Goiano.
    5- Adoro o Koff, mas, infelizmente a idade chegou para nosso presidente, a palavra dele perdeu força. Tomara que eu me engane

  4. Carlos Otero disse:

    obs: onde escrevi gauchão, leia-se brasileirão 2012

Comente