CHEGOU A HORA

Um cenário – a realidade

O Grêmio passa longe de aparentar preparação para grandes confrontos e disputa de títulos. A falta de entrosamento, reflexo, antes de tudo, de uma política que vem se repetindo, com a montagem de um grupo diferente a cada ano, se agravou na quantidade de lesões ocorridas desde o início do ano. Daí que as contratações que pareciam ter trazido novas opções e melhor repertório de jogadas – sou dos que pensa que temos mais qualidade, na média, do que em 2011 – acabam suscitando desconfiança e receio. Futebol é um esporte coletivo, o que pode facilitar ou dificultar o brilho das individualidades.

O time que vem jogando

Marco Antônio, que obviamente não pode ser considerado um jogador excepcional, quando participa dos lances, especialmente próximo da área adversária, tem bons números nas assistências para gol, ou ‘quase gol’. Leo Gago não pode ser o principal responsável pela armação de jogadas pelo lado esquerdo – atualmente com a parceria do Pará, reserva limitado e ‘todo torto’ por aquele lado. Mas o volante tem ótimo chute de média e longa distância, arma importante para um time. Fernando – que não tem um reserva com as mesmas características (seria Vilson?) – é bom volante, candidato a titular da Seleção Olímpica. Mas tem seus defeitos, que em um meio ainda deficiente, aparecem mais. Souza chegou bem e caiu de produção. Talvez pela adaptação à preparação física, ou desmotivado após não constar em pré-lista de convocados para olimpíadas, tem produzido muito pouco, inclusive defensivamente.

A zaga, com Werley e Gilberto Silva, parece que melhora com a continuidade. O mesmo não acontece nas laterais, com a lesão do Júlio César e o baixo rendimento do Gabriel.

Diante deste quadro, tudo estaria melhor se tivéssemos Kleber e Moreno jogando. Não temos. Bertoglio, André Lima e Miralles estão tentando, com limitações e adaptações que levam tempo para propiciar bom resultado.

Talvez tivéssemos outras alternativas para a montagem da equipe com o que temos disponível. Isso prefiro defender adiante, após maior observação.

Mas agora é ‘as ganha’!

Bem, mas chegou a hora. E agora é as ganha. Temos que enfrentar um GRENAL e então saber se a postura aparentemente descompromissada do time é só uma questão de menosprezo pelos adversários de menor expressão, ou desmotivação por não acreditarem que com este grupo o Grêmio pode ser Campeão Gaúcho e da Copa do Brasil. O Luxa tem falado sobre isso, de forma muito pertinente. Se o time é limitado, a superação tem que ser em dobro. Se temos defecções e problemas, a solidariedade e a ajuda ao companheiro devem ser reações automáticas.

Com isso é possível ser campeão? Na minha opinião, sim. Inclusive da Copa do Brasil. Este time pode jogar mais. E depois deve ser melhorado para o Brasileiro, com duas ou três contratações.

A hora é agora! É a minha opinião.

Juliano Ferrer

Comente