TRANSFORMAR OS CONSULADOS EM EMBAIXADAS

Quando convidado a escrever para a coluna Grêmio Imortal e, ainda, sobre questões vinculadas ao futuro do nosso GRÊMIO, optei por trazer mais proposições que críticas. Acredito que a melhor forma de questionar o status quo seja propor idéias que possam gerar melhorias ou transformações nas relações atuais. Quando eu escrever, o farei trazendo idéias, sugestões e provocações sobre a forma como o GRÊMIO se relaciona com seus associados, torcedores e comunidade em geral. Mas o farei sem, absolutamente sem, nenhuma reserva mental. Se as proposições aqui expostas são simples de implantar, só as estudando com maior profundidade. O insigth é o primeiro passo para implantar qualquer nova iniciativa…

Sempre me questionei sobre qual seja o papel de um Cônsul do GRÊMIO. Quando meu irmão foi transferido para Kansas City, nos EUA (saudades deste gremista que me cativou para o meu primeiro vínculo com o GRÊMIO, em 1995, na antiga modalidade de Estudante Gremista), eu o provoquei perguntando por que não se tornar Cônsul do Clube, contudo ele não sabia o que deveria fazer para desempenhar esse papel… pois é… nem eu! No site do Tricolor a única referência que encontrei diz respeito às atividades do Cônsul, que consta do seu termo de compromisso:

“… assumo o compromisso de bem representá-lo, engajando-me em campanhas, promoções, eventos, divulgando, mobilizando os gremistas da localidade a que pertenço, comprometendo-me a participar de reuniões e convenções quando convocado…”

De imediato, a preocupação sobre o “como tornar-se Cônsul” – confesso minha falha de foco -  foi superada por uma pequena coisinha que me pareceu estar faltando na missão do Cônsul: CATIVAR CIDADÃOS DA COMUNIDADE LOCAL A SE TORNAREM TORCEDORES DO GRÊMIO. Tal tarefa seria simples? Com certeza, não! O GRÊMIO disponibiliza meios e apóia os Cônsules com incentivos e recursos para desempenharem essa tarefa? Confesso que não sei, mas tenho a sensação que não o faz como poderia ou deveria.

O torcedor é a razão de ser de um clube de futebol (excluindo os criados por empresários) e o primeiro passo para as pessoas ingressarem no quadro social da instituição é serem cativadas para tal (lembrem Saint Exupery, em O Pequeno Príncipe: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”), e é bom que o FUTEBOL do GRÊMIO tenha consciência disso. Segundo pesquisas de institutos diversos, o GRÊMIO tem a sexta maior torcida do Brasil, mas extremamente concentrada no Rio Grande do Sul e nas grandes colônias (que não são tantas assim) de Gaúchos espalhadas pelo país. É pouco? Lógico que não. Mas acredito que o GRÊMIO possa bem mais e que não precise se limitar às fronteiras gaudérias e tupiniquins.

No Rio Grande do Sul, as novas gerações de torcedores do GRÊMIO surgem, em grande parte, pela inércia familiar. Mas quanto maior a distância para com a sede do clube, maior deve ser a dificuldade de manter este crescimento vegetativo e a de atrair novos torcedores. O Brasil (e os brasileiros expatriados pelo mundo) apresenta diversas regiões país que não desfrutam de um clube de expressão nacional. Estes cidadãos (e seus filhos) também querem torcer por times que disputem títulos nacionais e internacionais. Ou não o querem? Por que deixá-los, a todos, nas mãos dos clubes do Rio de janeiro e de São Paulo? É verdade que estes times do centro do país são beneficiados pela mídia… isso dificulta o cativar de novos torcedores para o GRÊMIO? Certamente! Mas será que é impossível? Acho que não…

Os Cônsules gremistas estão espalhados nos 21 Estados e no Distrito Federal (informações do site do Grêmio). São pessoas que se disponibilizam a contribuir com o GRÊMIO espontaneamente. Se é assim, me pergunto, o que não fariam com um apoio maior? Tornemos nossos Cônsules EMBAIXADORES DO GRÊMIO. Pequenas iniciativas, se factíveis (lembrem de quando falei em aprofundar estudos) poderiam auxiliar esses grandes gremistas na tarefa de cativar novos torcedores, reunir os atuais e convertê-los em associados.

Finalizando, seguem algumas singelas sugestões ao Departamento Consular do GRÊMIO que na devem ser difíceis de implementar, desde que com algum orçamento:

1) institucionalizar os consulados:

* criar um layout padrão para as páginas dos consulados a serem hospedados junto ao website do GRÊMIO (visitem “www.gremio.net/consuladodelajeado”);

* criar e-mails para os representantes consulares como o domínio do grêmio.net;

* desenvolver e fornecer material de divulgação do clube para que Cônsules distribuam em eventos que promovam em suas localidades (uma tabelinha com os jogos do Brasileirão, por exemplo);

2) transformar qualquer partida do GRÊMIO em um evento consular:

* efetuar parcerias com CTGs (ou qualquer outro local) para transmitir os jogos do GRÊMIO, com o clube subsidiando o pay-per-view para consulados com um número mínimo de associados;

* fornecer produtos licenciados aos consulados para sortear entre os presentes (quem sabe não ganha o filho do amigo do Cônsul que foi ver o jogo por curiosidade e ai começa uma relação com o nosso GRÊMIO);

3) privilegiar os consulados da região onde o GRÊMIO for jogar como visitante:

* ao invés de distribuir os ingressos de visitante para as “organizadas” fazerem o que bem entenderem, o Departamento Consular poderia organizar junto aos consulados regionais, mais próximos das partidas, excursões para associados, torcedores e simpatizantes, subsidiando o ingresso para o associado que contribui mesmo estando longe;

* propiciar, com os jogadores que não forem escalados ou com ex-jogadores, uma participação junto a essas delegações de torcedores (vai viajar mesmo; aproveita eassenta mais alguns no avião e prestigia os apaixonados que torcem e sofrem com a distância).

Simples ou não, são sugestões que me parecem viáveis de serem trabalhadas… para transformarmos os Cônsules em EMBAIXADORES gremistas. Quem sabe se, com essas pequenas iniciativas, somadas a outras maiores ou mais agressivas (provocarei em outra oportunidade), não conseguiremos “cativar” grandes ou, principalmente, pequenos órfãos clubísticos a dividirem conosco essa maravilha que é torcer e ser associado do GRÊMIO.

Guilherme Schulze

3 comentários para “TRANSFORMAR OS CONSULADOS EM EMBAIXADAS”

  1. Gilberto disse:

    Realmente é um ótimo projeto para o Grêmio, sobretudo porque institucionalizaria e daria mais atenção aos Gremistas do interior.

  2. Assino embaixo desta crônica que deve ser enviada a todos os consulados.

    Guilherme Minssen
    Cônsul do Grêmio em Belém – PA.

  3. Enimar disse:

    Perfeito, muito bom o projeto. Penso que essa ideia deve ser levada aos consulados para que pressionem a Direção Gremista para tirarmos do papel.

Comente